04 outubro 2009

...




"Tocas no rosto enquanto o ar não sai
Inspiro sem medo do acto que vem
Envolvo os pés com as mãos
Do toque nasce a nossa ilusão

Desenhas os risos de um novo medo
Que o peito demonstra sem qualquer sossego
Faz tempo que a culpa se foi
Ficámos de pensar só depois
Do erro.

Já pouco nos resta fechar os olhos
Escondemos actos sem qualquer receio ou angústia
Que nos prende a vontade de sentir
O corpo com prazer

Rasgas-me a roupa sem qualquer pudor
Enquanto buscas o ar pela boca
Passeias o teu cheiro no meu corpo
Por entre os braços misturo tudo
Após o prazer ficaremos mudos
Sem saber
Se é por uma noite

Grito o teu nome sem saber
Como será o amanhã
Foi um sonho real
Por uma noite"

6 comentários:

Grande Querida disse...

esta música.. é daquelas proibídas para Grande Querida...

BlackQuartzo disse...

"Depois de conversas e cumplicidades criadas...
O (re)encontro em silêncio absoluto.
Olhares absolutos em silêncios absolutos.
Temperatura extrema pelo silêncio cortante na nudez absoluta.
Silêncio total, estranho, pela procura necessária do calar de palavras.
Encontro de bocas... mudas.
uuiiiis... aaaais... e só depois então... um.... Olá!"

Patrícia Manhão disse...

GrandeQuerida: Olhe, nem sei que lhe diga..
Odeio proibições (tanto como de obrigações)...mas quase concordo consigo.
Quase...



Black: estragaste tudo com a ultima frase..
Até aí, estava perfeito.

:)


beijos para os dois

Patrícia Manhão disse...

Pobres os que não sabem ouvir...

leo disse...

... será que te lo creerás? ... Sabes que tengo "saudades" tuyas? ...

Un beso, pequeñito ...lol ...

Patrícia Manhão disse...

Claro que acredito Leo :)
Se eu também tenho saudades tuas...

Muitos besos...para ti

 
;